16 março, 2009

O menino que roubava livros

_____Faz um tempo, trabalhei em uma escola desorganizada, caindo aos pedaços e que não dava a mínima para a Educação. Seu objetivo era, sem a menor sombra de dúvidas, render uns caraminguás para o dono da espelunca e ponto. Mesmo assim, o colégio tinha uma biblioteca – ou, para ser mais exato, um par de estantes que recebiam esse nome. Sempre que podia, eu as consultava e, quando encontrava algo relevante para o tema de alguma aula, levava o livro para indicar para os alunos e anunciava sua existência na “biblioteca”.
_____Certo dia, após uma chuva forte, uma pequena goteira começou a gotejar em uma estante. Tirei os livros que estavam sendo diretamente atingidos e avisei o dono do colégio. Nada foi feito. Nas chuvas seguintes, a goteira continuou a existir e a atingir cada vez mais partes da estante. Avisei mais umas três vezes. São Pedro fez mais para evitar que os livros fossem danificados do que o meu chefe.
_____Por fim, outras goteiras surgiram para fazer companhia à primeira. As duas estantes viraram um local perfeito para a prática de nado sincronizado ou pólo aquático. Creio até que o Michael Phelps treinou por um tempo na região.
_____Incomodado com aquele absurdo, não hesitei mais: parei lá, olhei com calma e, nas próximas duas semanas, disfarçadamente, surrupiei todos os livros que me interessavam.

#####


_____Mesmo tendo achado o meu ato perfeitamente justificado, eu não conseguia deixar de sentir um pouco de culpa por ter espoliado a já pobre biblioteca. Contei tudo isso para uma inteligente (e linda) professora de Língua Portuguesa que trabalha comigo. Ela sorriu e disse “Não se sinta mal. Pense que você não estava roubando; você estava, na verdade, preservando os livros.”. Ela tem toda razão. Quase dá dó de não trabalhar mais naquela escola.

12 comentários:

  1. Não se preocupe tanto: alguns deles também estão preservados aqui em casa, aliás, já foram de bom uso pra pelo menos eu e mais um amigo.

    ResponderExcluir
  2. E não é que a professora linda tem razão? Bem, não sei se é linda, mas visitei o blog dela. Só uma mulher bonita pode ter tanto bom gosto.

    Antes que me chamem de sexista, é brincadeira.

    Quer ouvir uma coisa triste? Há alguns anos, fui dar aulas numa faculdade de Letras. O dono também só se preocupava com o dinheiro das mensalidades. E o que é pior: os alunos não liam. Não havia livros que nadassem. Acho que até a chuva se recusava a aparecer por lá.
    Nunca mais voltei.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu passei por uma situação parecida na escola em que trabalhei. É muito triste vc se deparar com coisas do tipo em ambientes onde uma criança para 80% da sua vida e se espelha 100% das pessoas que estão ali naquele ambiente...

    Mas eu concordo com a professora, vc estava apenas preservando. E sei que um dia vc vai achar um lugar mais justo para estes livros, do que um centro de reciclagem.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Gilberto Agostinho17 março, 2009 12:32

    Ulisses, eu fiquei sabendo que o "Blog da Lulu" migrou aqui para o OPS!, mas não encontro o link em lugar nenhum! Você sabe aonde posso encontrá-lo?

    ResponderExcluir
  5. Livros que serão maltratados ou ignorados PRE-CI-SAM ser salvos - taí, essa podia ser uma campanha a ser divulgada. Eu já fiz isso algumas vezes, bem verdade que não em uma escola, mas na casa da minha vó, com livros que a minha prima ganhava e deixava largados. Alguns foram usados pela outra prima mais nova para brincar de professora, estão cheios de certos e errados a caneta colorida...

    ResponderExcluir
  6. Eu acho que a Academia Brasileira de Letras deveria te nomear o Amigo do Livro de 2009....

    Bom, eu roubava mesmo!

    (Mas só de grandes livrarias, nunca de escolas carentes....)

    :¬))))

    ResponderExcluir
  7. Acho que todo apaixonado por leitura já roubou algum livro na vida. Em minhas estantes tenho alguns exemplares com dedicatórias na primeira página - o que para mim é quase um pecado mortal - endereçados a uma prima que nunca se deu ao trabalho de lê-los. Também tenho "A Divina Comédia" de Dante Alighieri, que peguei emprestado de um colega de trabalho que pensou que o livro contava uma "história engraçada". Tem tanda gente doida nesse mundo, né? rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Foi por uma boa causa.
    Há braços!!

    ResponderExcluir
  9. Nota Mental:
    Acrescentar "larápio" à lista do Ulisses.
    "Para futura referência..." :)
    Aloha!

    ResponderExcluir
  10. [...] O menino que roubava livros – Incautos do Ontem [...]

    ResponderExcluir
  11. [...] quatro paredes Sep 23rd, 2010 by Ulisses Adirt. Share___Faz uns tempos, comentei sobre uma professora de Língua Portuguesa com quem eu trabalho –, seu nome é Nádia Sauer. Como disse à época, trata-se de uma moça bonita e inteligente. [...]

    ResponderExcluir

Site Meter