15 de dezembro de 2020

Joana d’Arc: análise do poema épico de Cristina de Pisano

            Como diz o título, um vídeo analisando o poema épico O dito de Joana d’Arc, da escritora medieval Cristina de Pisano.

 


 

Bibliografia, fontes e materiais utilizados: 

- Brincadeira com a expressão “Feminista avant la lettre” utilizando a capa do vídeo “MULHERES F_D4 #10: Margaret Mead”, do canal Tempero Drag. 2020. Disponível em https://youtu.be/nqL9Xqs2Qyg.

- Detalhe da efígie mortuária de Eduardo III, da Inglaterra. Abadia de Westminster. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Edward-III-king-England.jpg.

- Imagem de Aquiles e Heitor. Vaso. Século V A.E.C.. Disponível em https://peregrinacultural.wordpress.com/2015/06/28/na-tradicao-classica-duelo-entre-heitor-e-aquiles/.

- Imagens de Joana d’Arc (por ordem de aparição): (1) Iluminura do final do século XV. Bibliothèque nationale de France. Disponível em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:BNF_Latin_14665,_folio_349_-_Jeanne_d%27Arc.jpg; (2) Clément de Fauquembergue, 10/05/1429. Única representação contemporânea conhecida de Joana d'Arc (esboçada à margem de um registro por Clément de Fauquembergue, escrivão do Parlamento de Paris, mesmo, provavelmente, sem tê-la visto até então). Disponível em https://it.wikipedia.org/wiki/File:Contemporaine_afb_jeanne_d_arc.png; (3) Jeanne d'Arc au bûcher, le 30 mai 1431. Iluminura presente na obra Vigiles de Charles VII, de Martial d’Auvergne. 1484. Disponível em https://www.larousse.fr/encyclopedie/images/Jeanne_dArc_au_b%C3%BBcher/1007815.  

- Imagem do processo de Joana d’Arc: RIBEIRO, Nathalya Bezerra. Traduzindo le ditié de Jeanne D’arc de Christine de Pizan: uma ponte para o resgate de obras de autoria feminina na baixa idade média. 2016. p. 24.

- Reportagem sobre o “maluco do ‘Escola sem partido’”. 2016. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/23/politica/1466654550_367696.html.

- BESSON, Luc. Joana d'Arc. Filme. 1999.

- DUBY, Georges. Idade Média, idade dos homens: do amor e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

- FOUQUET, Jean. Retrato de Charles VII. Pintura. 1450. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:KarlVII.jpg.

- JONES, Wayne. “Mr. Sunny Face”. Trilha sonora. 2018. Disponível em https://www.youtube.com/audiolibrary.

- LE GOFF, Jacques. Os intelectuais na Idade Média. São Paulo: José Olympio, 2003.

- PISANO, Cristina de. O livro da cidade das mulheres. 1405. Versão digital disponível em https://www.wdl.org/pt/item/4391/.

- RIBEIRO, Nathalya Bezerra. Traduzindo le ditié de Jeanne D’arc de Christine de Pizan: uma ponte para o resgate de obras de autoria feminina na baixa idade média. 2016. 93 f. Dissertação (Mestrado em Letras)-Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

 

1 de dezembro de 2020

Paz de Deus (podcast)

             Podcast refletindo sobre as tentativas de estabelecer algumas formas de paz instituídas pelo clero na Idade Média. Pode ser ouvido no YouTube ou no Anchor (a única plataforma de podcasts que me deixou postar tudo rapidamente e não me encheu o saco).

 



Bibliografia e materiais utilizados:

- Iluminura medieval utilizada para ilustrar o podcast encontrada em https://historiaschistoria.blogspot.com/2019/03/os-templarios-em-portugal.html.

- Trechos com algum tipo de referência contemporânea à “Paz de Deus”: música “Que a paz de Deus reine”, interpretada por Ana Paula Valadão, do álbum Aclame ao Senhor (1996). Disponível em https://youtu.be/queHfNBmcX8. Pregação do pastor Silas Malafaia, 2011. Disponível em https://youtu.be/dvGh7uC9sAw.  

- CARRAZ, Damien. “A Paz de Deus no Midi da França no século XII”. In: História Revista. v. 19, nº 1. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2014. pp. 67-103.

- DUBY, Georges. Guerreiros e camponeses. Lisboa: Editorial Estampa, 1978.

- GALLAGHER, Jesse. “Spirit of Fire”. Trilha sonora. 2020. Disponível em https://www.youtube.com/audiolibrary.

 

17 de novembro de 2020

Orléans: regras e análise histórica

             Vídeo analisando historicamente e explicando como jogar o board game Orléans.

 


Bibliografia, fontes e materiais utilizados:

- A imagem das peças que devem ser utilizadas no jogo foi retirada do site Board Game Geek. Disponibilizada pelo usuário Victor Pluntky (@binnet). 2015. Disponível em https://boardgamegeek.com/image/2593767/orleans.

- Iluminura medieval do tomo Le régime du corps, escrito pelo médico italiano Aldobrandino de Siena (cópia Sloane 2435, séc. XIII, British Library).

- Vídeo do canal “Jogada Histórica” sobre Orléans: https://youtu.be/cZWoBZEpBMs. 2017.

- Vídeo do Romir sobre Orléans: https://youtu.be/dcnd8UujMPo. 2017.

- FRANCO JR., Hilário. Cocanha – A História de um país imaginário. São Paulo: Schwarcz, 1998.

- KENNY, Aaron. “Yonder Hill and Dale”. Trilha sonora. 2018. Disponível em https://www.youtube.com/audiolibrary.

- LE GOFF, Jacques. Os intelectuais na Idade Média. São Paulo: José Olympio, 2003.

- STOCKHAUSEN, Reiner (autor); FRANZ, Klemens (ilustrador). Orléans. Jogo de tabuleiro. Embu-Guaçu: Meeple BR Jogos/dlp games, 2017/2014.

14 de novembro de 2020

Authentic jazz (ou traditional jazz dance, vernacular jazz...)

            Um vídeo explicando um pouco os termos utilizados quando se fala em dançar jazz.

 


 #####

Bibliografia, fontes e materiais utilizados:

- Cia Terra Dance Studio: https://www.ciaterra.com.br/

- Coreografias utilizadas. (1) Lindy Hop: Sharon Davis e Juan Villafane, Dancing at Provence Swing Festival, 2009: https://youtu.be/xsYYHvaMIGA. (2) Jazz: coreografias do Grupo Raça (https://racacentrodeartes.com.br/). Primeira coreografia: coreógrafo Lenon Vitorino, 2019: https://youtu.be/vUqcU05M458. Segunda coreografia (fornecida e com participação da bailarina Williane Oliveira): coreógrafo Alex Siqueira, 2020. (3) Shim Sham: Alise Hofmane (tap dancer) e Mikus Aleksandrovs (lindy hopper) dançando o shim sham juntos, 2017: https://youtu.be/k7g7YBUHcc4.

- Imagem de capa: Leon James e Willa Mae Ricker. 1943.

- Os vídeos do início do século XX não têm trilha sonora. Acrescentei as seguintes músicas para a melhor apreciação do público em geral (todas disponíveis em https://www.youtube.com/audiolibrary), assim como as utilizei como trilha sonora durante o vídeo: TrackTribe, “Greaser”, 2019; Reed Mathis, “We Ride!”, 2020; Media Right Productions, “Zydeco Piano Party”.

- DEHN, Mura. The Spirit Moves: A History of Black Social Dance on Film, 1900–1986. Documentário. Dallas: Dancetime Publications, 1987. 

- GUARINO, Lindsay; OLIVER, Wendy. Jazz Dance: a history of the roots and branches. Florida: University Press of Florida, 2015. Livro de onde foi tirada a ilustração da “jazz dance tree”, de Kimberly Testa.

- HEINILA, Harri. “What Is Authentic Jazz Dance”. 2012. Disponível em https://authenticjazzdance.wordpress.com/2012/03/06/what-is-authentic-jazz-dance-4/.

- HOBSBAWM, Eric. História social do jazz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

- LEMOS, Anielle. “As transformações do jazz dance: um recorte histórico da diáspora afro-americana até os dias atuais”. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Artes – Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas, 2018.

- MADDALENA, Martina. PARKHATSKAYA, Ksenia (co-autora e editora). “Vernacular, authentic or modern, what is jazz dance?”. 2020. Disponível em https://secretsofsolo.com/2020/08/vernacular-authentic-or-modern-what-is-jazz-dance/.

- STEARNS, Marshall; STEARNS, Jean. Jazz Dance: The Story of American Vernacular Dance. Massachusetts: Da Capo Press, 1968.

- TILTON, Roger. Jazz dance. Registro de Leon James e Al Minns dançando no Central Plaza Dance Hall. Nova Iorque: 1954. Disponível em https://youtu.be/Y-K9IO3-OW8.

3 de novembro de 2020

Gênios: ontem e hoje

             Podcast sobre como os gênios (ou ifrits, djins...) foram representados na Idade Média e no mundo contemporâneo. Pode ser ouvido no YouTube, no PodBean e no SoundCloud. Também me indicaram o Anchor, estou a testá-lo. Fica, abaixo, o que foi postado no YouTube:

 


###

Bibliografia, fontes e materiais utilizados:

- Livro das mil e uma noites, volume I: ramo sírio. Introdução, notas, apêndice e tradução: Mamede Mustafa Jarouche. São Paulo: Globo, 2005.

- DEMANT, Peter. O mundo muçulmano. São Paulo: Contexto, 2003.

- FIGUEIREDO, Filipe. “Oriente Médio | Nerdologia”. Vídeo. Disponível em https://youtu.be/yAwCFfO1Zv0.

- GAIMAN, Neil. “Um calendário de contos: conto de outubro”. Alerta de risco. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2016. pp. 107-130.

- KENNY, Aaron. “Desert Caravan”. Trilha sonora. 2018. Disponível em https://www.youtube.com/audiolibrary.

- MAOMÉ. Alcorão. Portugal: Europa-América, 2002.

- SAID, Edward W.. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Cia das Letras, 1990.