18 agosto, 2010

Apoiando a própria tortura

___As mulheres são maravilhosas; a vida é melhor simplesmente porque elas existem. Mesmo assim, os homens fizeram de tudo para tornar a vida delas pior. Por milênios a sociedade foi moldada para que o cotidiano das mulheres fosse completamente voltado para os seus homens (fossem pais, maridos ou filhos), sem que as escolhas ou desejos delas tivessem qualquer influência. O resultado é que as mulheres até hoje são bem mais reprimidas sexualmente, são preteridas a torto e a direito, sofrem diversos preconceitos e, pior de tudo, muitas vezes consideram isso correto.
___Só para ficar em um exemplo simples, vejam como é o comportamento de cada um dos gêneros em uma festa social. Os homens usam quase sempre o mesmo terno – roupa que para muitos é o habitual do dia-a-dia. Ao entrarem no local, não costuma ser incomum que, aqueles que se incomodam com o traje, tirem algumas partes, ficando mais à vontade.
___Por seu lado, as mulheres, além de muitas vezes se arrumarem com roupas que fazem delas pedaços de carne à mostra para o melhor comprador, têm de ostentar um vestido novo por festa. Se bobear, algumas mulheres vão dizer, “Mas, isso que é legal. É gostoso se arrumar e se sentir bonita.”, sem lembrar que elas não precisariam praticamente penhorar parte de suas vidas para isso.
___Os sapatos, então, são o castigo final. Convencidas de que aqueles dois pequenos acessórios vão deixá-las mais belas ou algo do tipo, grande parte das moças fica a torturar-se o evento todo com os pés doloridos. Por isso mesmo adoro trabalhar com adolescentes. Por vezes, querendo questionar padrões estúpidos que a sociedade lhes impõe, os jovens mostram mais sabedoria que muitos adultos.
___Em uma festa de formatura dia desses, um grupo de alunas, querendo dançar – e não seguir qualquer tipo de moda ou convenção –, resolveu trajar o vestido, mas colocar os bons, velhos e confortáveis tênis nos pés. Sorte delas.


Tênis na formatura


___Só é chato saber que existe uma chance enorme de que elas cresçam e passem a agir idiotamente como as pessoas comuns.


#####


P.S.: Para acrescentar uma reflexão extra, vale, também, dar uma lida em um texto do ano passado: “O hábito não faz o monge”.

8 comentários:

  1. Eu acho isso interessante, sempre achei que aqueles sapatos femininos parecem objetos de tortura. E algumas vezes eu confesso que eu tenho vontade de seguir na carreira acadêmica por que é o único lugar que eu posso ir para os trabalho e eventos importantes de tênis e ninguém te enche a paciência por isso.

    Eu acho que há uma cultura de se manter uma pose para status social, eu acho que, por exemplo, não h nada mais estúpido do que usar terno aqui no nordeste... e se comete tal tipo de atrocidade só por pose.

    ResponderExcluir
  2. objetos de tortura? vcs não fazem ideia do que é tentar colocar um par de sapatos de "só" 5 centimentros sendo que vc passou a vida inteira andando de tenis. é lastimavel.

    e , bem. ninguem te leva a serio quando vc esta de all star. :S

    ResponderExcluir
  3. Nada como um bom e velho tênis.
    Há braços!!

    ResponderExcluir
  4. Mais uma vez apoiando a sua opinião! rs.
    Outro ótimo texto!
    Concordo do início ao fim. Mas infelizmente no próximo evento que eu for ainda terei que enfrentar a tortura de "não repetir meu vestido e de torturar meus pés" (me divertindo bem menos que suas alunas! rs.)
    Mas esse é o castigo.

    ResponderExcluir
  5. É muito bom mesmo estar confortável em um tênis para dançar a noite inteira SOZINHA. Pergunto aos homens, se interessaria mais uma muher de tênis em uma festa ou uma mulher de salto? Nem precisa responder né?!

    ResponderExcluir
  6. Pra mim, a resposta é simples: eu prefiro uma mulher que dance a noite toda comigo.

    ResponderExcluir
  7. Para mim, a resposta é mais simples ainda: eu prefiro a mais bonita! aushauhsaushuahush xD

    ResponderExcluir
  8. [...] pelo Alex do que os comentários embebidos de preconceitos dos leitores. ___Na semana passada, eu publiquei um texto, comentando a atitude bacana de umas alunas que, pouco se lixando para as convenções, foram a uma [...]

    ResponderExcluir

Site Meter