23 dezembro, 2011

Caricatura e não-caricatura

___Caricaturas costumam enfatizar características, defeitos, hábitos e, por conta disso, divertem e chegam a ser mais interessantes de se ver do que as próprias fotos das pessoas. Lucas Leibholz é um caricaturista de mão cheia. Não foi à toa que seu trabalho sobre Muamar Kadafi lhe valeu o segundo lugar no 38º Salão Internacional do Humor de Piracicaba.


Muamar Kadafi, por Lucas Leibholz


___Entretanto, os efeitos de caricaturas podem se inverter em pessoas extremamente caricatas. É o caso do feiíssimo Noel Rosa. Na caricatura de Leibholz, o Poeta da Vila ficou melhor do que era na realidade.


Noel Rosa, por Lucas Leibholz


___De todos, o trabalho que eu mais gostei mesmo foi o feito em cima de uma figura que já é, em si, uma horrenda caricatura. Líder de uma instituição reacionária e injusta, pessoa que já defendeu o nazismo e que é conivente com a pedofilia, o Imperador Palpatine papa Bento XVI merecia um retrato fiel a esse ponto. Obrigado, Lucas.


Papa Bento XVI, por Lucas Leibholz
#####


P.S.: Aproveitando meu ataque doce e sutil a Joseph Alois Ratzinger, deixo como extra o informativo vídeo “O que é a Igreja Católica”, de Louis CK.


[embed width="550"]http://www.youtube.com/watch?v=BbBN53SzOEs[/embed]

4 comentários:

  1. Legais as caricaturas! Agora uma coisas que eu acho legal nas caricaturas é que eles mostram muito o como o caricaturista percebe aquele indivíduo. As caricaturas escolhidas por exemplo mostram, na minha opinião, uma certa neutralidade (exceto pela escolha de cores do Kadafi) que me dá a impressão de ser alguém com menos interesse em política e talvez mais preocupado com a técnica ou com cultura pop.

    ResponderExcluir
  2. Trida, mesmo não sendo católico ROMANO me sinto profundamente ofendido com esse vídeo imbecil postado aqui. É engraçado os ateus exigirem respeito à sua 'não-fé', se é que podemos chamar assim, fazendo chacota com institutições cristãs, ou de qualquer religião que seja. Fazer críticas com relação ao fato de existirem padres pedófilos, assim como existem MUITOS ateus pedófilos é extremamente aceitável. Agora, agredir uma instituição dessa forma é lamentável. De verdade.

    Abraços,
    Gabriel.

    ResponderExcluir
  3. É típico de neo-ateus que 'evoluíram' lendo Dawkins. Na hora que criticam sua não-fé, ou coisa do tipo, ficam revoltados, dizendo que são perseguidos e tudo o mais. Agora, fazer chacota do jeito que esse vídeo faz, inclusive com a Bíblia, que querendo vocês ateus ou não, é o livro sagrado de mais de 1/3 da população mundial, e merece NO MÍNIMO respeito. Fico profundamente chateado ao ver você reproduzir no seu blog algo tão imaturo, imbecil e sem conteúdo igual a esse vídeo.

    Com todo o respeito,
    Gabriel.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Gabriel.

    A crítica que me interessava no vídeo do Louis CK era à pedofilia na Igreja, nem tinha dado atenção à questão da Bíblia (e se vc não tivesse falado, não teria me tocado até agora), principalmente pq é a pior piada do vídeo. Acrescento que, como historiador, respeito muito a Bíblia, é um bruta documento histórico importante e concordo que críticas como a do Louis a ela são completamente vazias. No entanto, do mesmo jeito, como historiador, não posso considerar a Bíblia como algo sagrado e, portanto, imune de críticas ou piadas.

    Como de costume, sou a favor que qualquer um fale o que quiser sobre o que quiser – inclusive sobre a Bíblia, o Alcorão, o Guia do mochileiro das galáxias, as obras completas de Platão ou sobre o Minha luta. Aí, as pessoas q rebatam o que foi falado, que considerem quem falou (ou divulgou algo) um idiota. Inclusive, podem me considerar completamente idiota.

    Depois de concordar com vc que a crítica do Louis à Bíblia foi tosca, existe um pontinho na sua fala que eu gostaria de retificar. Dizer que existem “padres pedófilos, assim como existem MUITOS ateus pedófilos” não é algo válido, é uma falsa simetria. Podem existir padres e ateus pedófilos, assassinos, estupradores de velhinhas ou que queimam aldeias indígenas. Isso não faz a menor diferença. O ponto é que, se existem ateus-pedófilos (se bem que eu não me lembro de nenhuma entrevista com um pedófilo falando q é ateu), os ateus em si não defendem esses ateus-pedófilos, não protegem esses ateus-pedófilos pelo simples fato deles serem ateus. Já a Igreja Católica, ela defende fortemente os padres-pedófilos. Inclusive (vamos ao meu trabalho de historiador) existem documentos assinados pelo próprio Ratzinger, quando cardeal, fazendo corpo mole ante a ideia de excluir das funções do ministério um padre criminoso. Link (em português com link para a versão inglesa) aqui: http://index.opsblog.org/04/2010/joseph-ratzinger-assinou-embaixo/

    De resto, como sempre, obrigado pelas opiniões.

    Abraços.
    Trida.
    P.S.: Entendo que o q o Louis CK falou incomodou vc. Mesmo assim, dê uma olhada agora nesse vídeo q considero um dos melhores dele e, se quiser, depois, opine: http://www.youtube.com/watch?v=TG4f9zR5yzY
    P.P.S.: Sobre nossa discussão tb, talvez para vc entender melhor algo q acontece com os “ateus-militantes” acho q vale mto a pena vc dar uma lida nesse texto aqui: http://www.interney.net/blogs/lll/2011/01/19/se_ateismo_e_religiao_entao_nao_colecion/

    ResponderExcluir

Site Meter