04 fevereiro, 2014

As minorias e o comediante

___Durante uma conversa com uma ex-aluna muito inteligente e politizada, eu defini o que são minorias. Incomodada, ela disse “Poxa, professor, é claro que eu sei o conceito de minorias.”, com a maior cara de “Você acha que dá para não saber?”. Talvez realmente eu tenha sido excessivamente didático, mas, infelizmente, tenho de dizer: sim, dá para não saber. O exemplo mais fácil seria o do pastor Marco Feliciano que, mesmo tendo presidido a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, não parece saber nada do conceito. Mesmo assim, prefiro tratar de outro exemplo. 

Pastor Marco Feliciano e a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, por Simanca

___No fim do ano passado, Danilo Gentili, no seu blog Respondendo Idiotas, resolveu responder ao texto “Carta aberta aos humoristas do Brasil”, de Alex Castro. Danilo respondeu de maneira dura; mesmo assim, não acho que a sua réplica precise de uma tréplica. Mas, acho que vale a pena fazer uma correção.
___Em determinado momento, Alex Castro diz: “A questão é: quem se dá mal nessa piada? Se é a vítima, o subalterno, a minoria, a mulher, o gay, o negro, etc, então essa piada é parte do problema. Ela confirma, apoia, sustenta a ideologia dominante. Ela está à serviço do machismo, do racismo, da homofobia.”. E o Danilo responde: “Perceba: ele engloba as MULHERES e os NEGROS entre as minorias! Vamos aos dados do IBGE: No Brasil, pretos + pardos somam 50,7%. Mulheres 51%. Alex Castro 60% – e ha previsões de que ele se torne 67% até 2015 se continuar engordando desse jeito.”. 
___Danilo Gentili, pelo visto, ignora o conceito de minorias. Vou, portanto, explicá-lo.

###

___Caro Danilo Gentili,
___A palavra minorias, da maneira que o Alex Castro usou, é uma catacrese, uma palavra que não descreve com exatidão o que se quer expressar, assim como o “braço do sofá” ou a “cabeça do prego”. Só mesmo alguém com graves problemas cognitivos (ou com excesso de filmes da Disney no cérebro) ficaria horrorizado ao saber que ontem eu bati com o martelo na cabeça do prego.
___Portanto, caro comediante, a palavra minoria pode, sim, ser usada para falar de um grupo pequeno. Como, por exemplo: “Apenas a minoria dos humoristas deu ouvidos à carta aberta do Alex Castro.”. No entanto, esse não é o único uso da palavra e não foi assim que a palavra foi utilizada no texto. Corrigir a palavra como você fez, Danilo, apenas demonstra a sua ignorância. 
___A palavra minorias é um conceito sociológico muito utilizado para designar grupos que são minorias políticas, grupos com menos direitos, com pouca representação, sem apoio dentro da sociedade. Não importando o tamanho do grupo. Você mesmo citou que “No Brasil, pretos + pardos somam 50,7%.”. OK. Agora me diga: no Congresso Nacional o número de políticos negros (ou interessados nas causas dos negros) chegam perto de 50%? Não, né? Só para dar um exemplo numérico de como os afrodescendentes são uma minoria política, dos 81 senadores, apenas 2 se consideram negros ou pardos. O mesmo com acontece com as mulheres. Mesmo sendo a maioria da população, elas são muito mal representadas e, portanto, são consideradas uma minoria. 

Ditadura das minorias, por Kayserx

___Vale lembrar que não são apenas os grupos grandes que são considerados minorias. Os ateus e os homossexuais são minorias numéricas e, também, são rejeitados socialmente e pouco representados politicamente. Por outro lado, grandes e ricos latifundiários são uma minoria na população brasileira e, mesmo assim, estão muito bem representados em Brasília.
___Claro, ninguém é obrigado a conhecer conceito algum. Mesmo assim, acho que vale a pena lembrar que esse é um conceito que costumam ensinar nas escolas. Talvez, Danilo, você devesse ter prestado mais atenção às aulas. 

Capa do livro de Danilo Gentili

Um comentário:

  1. Uma lufada de bom senso. Espero que o Gentili aproveite, faz muita falta a ele.

    ResponderExcluir

Site Meter