30 de setembro de 2018

Enterro de um ateu

___O velho pai de um amigo querido morreu. Eu não costumo ir a enterros, não sou religioso e por vezes acho que o pouco que faço indo pode ser piorado pelo fato de que, de quando em vez, passo mal em eventos assim. No entanto, esse meu amigo tem enfrentado tempos muito duros, perdeu o movimento de uma das pernas, tem tido incontáveis problemas familiares e mazelas do tipo. Achei que valia a pena comparecer para ver como meu amigo estava. 
___Ateu convicto e comunista militante, meu amigo não permitiu nenhum tipo de manifestação religiosa no velório. Nenhum símbolo religioso foi exposto, nem mesmo velas. Haviam apenas pessoas em volta do caixão chorando e, outras, mais afastadas conversando. Mesmo assim, pouco antes do corpo ser sepultado, um funcionário se aproximou perguntando se não queriam mesmo alguém para fazer uma oração antes do enterro. Meu amigo negou e, lentamente, claudicando com as muletas, aproximou-se do caixão. 
___Todos pararam para olhar. Ele se aproximou do pai, olhou-o e começou a falar. Contou sobre sua vida de sindicalista, das greves que participou, das campanhas políticas nas quais panfletou. Eu não conheci o morto, mas pareceu alguém que, se estivesse vivo e saudável, estaria fazendo campanha e também deixando clara e pública sua rejeição a nomes como João Amoedo, Geraldo Alckmin e, claro, Jair Bolsonaro. 
___Quando meu amigo terminou de falar da trajetória e das convicções do pai, os presentes estavam atentos e respeitosos. Foi uma cerimônia bonita. E eu não passei mal. 

#####

P.S.: Aproveito para indicar o belo conto “Kadish para um dirigente comunista”, de Bernardo Kucinski. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário