14 agosto, 2008

Certas coisas deveriam ficar só na lembrança

_____Adoro passar trechos de filmes em sala de aula. Se bem trabalhado, é um ótimo recurso para ensinar e chamar a atenção dos alunos. Raramente, entretanto, passo algum filme inteiro. Como a duração costuma beirar os 120 minutos, passar um filme todo significa sacrificar muitas aulas. Normalmente, quando quero que os alunos vejam um determinado filme completo, marco uma sessão fora do horário de aula ou peço para que eles vejam em casa.

_____Com seriados ou desenhos, a história muda. Com episódios que duram cerca de meia hora, é possível passar tudo e ainda introduzir o assunto que me interessa sem dificuldade (Seinfeld e Simpsons, por exemplo, são figurinhas fáceis nos meus cursos).

_____Como ficar alugando DVDs que eu utilizo freqüentemente sai um pouco caro (ainda mais se for só para mostrar um pequeno trecho), tenho uma boa coleção de DVDs piratas genéricos em casa. Meu fornecedor corsário, vale dizer, tem DVDs de ótima qualidade e uns títulos que são bem difíceis de serem encontrados (encontrar filmes cults e clássicos em um pirata não é tarefa fácil).

_____Fuçando nos DVDs que o bucaneiro tinha nos baús nas caixas da sua nau banca, encontrei um que anunciava ter mais de sete horas de episódios dos ThunderCats. Lembrei da minha infância, de como eu me divertia assistindo esse desenho e comprei – achando que iria utilizar fartamente aquele material com os meus estudantes.

ThunderCats

_____Cheguei em casa e fui, todo empolgado, ver alguns episódios para saber o que eu poderia utilizar em aula. Que desgraça. O horror! O horror!

_____Por Clio, que desenhinho malfeito! Como ThunderCats é ruim. Repetitivo, com falhas absurdas nas histórias, roteiros para lá de esburacados, soluções fáceis e bestas. Não consegui ver três episódios. Como eu gostava daquilo? Acho que eu fumava maconha quando era criança.

*****

P.S.: Se alguém quiser ver uma “produção fílmica” que faz jus ao desenho, é só clicar aqui.

3 comentários:

  1. [...] para a falta de respeito com os pedestres, revelei mentiras de um grande portal de internet, tirei sarro de ícones dos anos oitentas, zoei minha sogra, denunciei problemas de cinemas paulistanos. Resultado: insatisfeitos com os meus [...]

    ResponderExcluir
  2. comigo aconteceu a mesma coisa com caverna do dragão !

    mas já seriados japoneses antigos eu continuo gostando, mesmo com toda a tosqueira : P

    ResponderExcluir
  3. [...] um provérbio nascido na minha geração de internautas que recomenda jamais reler ou reassistir a algo de que gostávamos aos quinze anos (ou antes). Não relerei Leviatã, Trilogia ou O Inventor da Solidão; prefiro ficar com o Auster [...]

    ResponderExcluir

Site Meter