29 dezembro, 2008

O pai dos argumentos estúpidos

_____Existe argumento mais tosco, pífio e teoricamente invencível do que “Tanta gente passando fome no mundo e você se preocupando com isso?”? É um argumento típico de quem, sem ter o que dizer, quer desmoralizar um assunto. Pode ser usado em quase qualquer situação para colocar um ponto final em uma discussão.
_____– Ele terminou comigo, minha vida é tão triste.
_____– Ah, se toca. Tanta gente passando fome e você chorando por causa do fim de um namoro!
_____– O carrasco do meu chefe está me perseguindo. É um inferno viver assim.
_____– Porra. Um monte de gente sem ter o que comer e você preocupado com isso?
_____– Será que Capitu traiu Bentinho?
_____– Tantas pessoas passan...
_____OK. Você já pegou o espírito da coisa.
_____É claro que a fome do mundo é um problema importante, todos devem estar atentos a ele e em busca de sua solução. Porém, o assunto fome não impede que se pense em outra coisa, não pode ser um tema paralisante e inconteste. Não pode, nem deve servir de argumento implacável para que as outras questões que assolam a raça humana sejam esquecidas.
_____Em setembro escrevi a crônica “O trágico fim dos livros de bolso”, um texto meiguinho falando do mini-drama que é, para mim, quando um livro de bolso está no fim. Sempre leio os livros de bolso fora de casa e, portanto, quando eles acabam, muitas vezes fico sem ter o que ler. O objetivo do texto era, apenas, dividir meus pensamentos de uma forma gostosa, externar um sentimento.
_____O texto, principalmente por causa do Y! Posts, acabou tendo muitos leitores. Além dos clássicos comentários interessantes, apareceram alguns ogros atacando a mim e ao assunto: “Caramba! isso eh de dar inveja! Q problemao, hein? E tem tanta gente q gostaria de ler, nem q fosse um gibi, esse cara fica em crise porque acaba a historinha!!!!Tem q procurar o q fazer…”; “Cara você é viado? Se não for parece, porque existe coisa mais importante na vida para se preocupar do que uma merda de um livro de bolso !!!”.
_____Entendeu o ponto? É óbvio que existem inúmeras nódoas que incomodam a Humanidade, claro que as pessoas devem se importar com os massacres cometidos por Israel, com a desigualdade social, com a ecologia, com a fome no mundo. Porém, isso é motivo para não ler um livro? Não ver um filme? Não fazer amor? Não conversar com os amigos? Não trocar idéias e pensamentos? Ah, não fode. Citar a existência dos outros problemas no mundo em uma conversa sobre outro assunto não é um argumento, é uma fuga, é retórica vazia. É a representação máxima da sabedoria dos medíocres.
_____“Tanta gente sem ter o que comer e você reclamando disso?” é a base das desculpas para que ninguém se responsabilize por nada. Tive um amigo fotógrafo que trabalhou com o pessoal do Greenpeace em uma campanha para ajudar as baleias. Ele dizia que a maioria das pessoas que o criticavam falavam coisas como “Um monte de criança precisando de ajuda e você aqui tentando salvar as baleias.”.
_____“Os políticos roubam tanto. Por que bem eu que iria ser honesto e trabalhar?”. “Olha só! Um monte de bandidos soltos por aí e esse policial tá aqui multando os carros.”. Políticos que não trabalham não isentam ninguém de fazer o próprio serviço. A existência de criminosos impunes não justifica uma infração. A existência da fome no mundo não é desculpa para ninguém deixar de fazer algo, seja ler, conversar, tirar férias, dormir ou ajudar os animais.
_____Agora, se você acha que tudo o que eu disse é bobagem, que é necessário tentar resolver o problema da fome do mundo 100% do tempo, diga-me: por que você está aqui, lendo um blog agora ao invés de correr atrás da solução? Caso você tenha alguma resposta satisfatória para me questionar e resolver o problema da fome, saiba que eu também estou fazendo a minha parte. Ou você acha que Literatura não vai ser importante para a Humanidade sem fome que vai passar a existir por causa da sua genial solução? Se acha que a Literatura não tem importância, saiba que você não é inteligente o bastante para acabar com a fome no mundo.
#####


P.S.: Como complemento, creio que vale dar uma olhada nos textos “Nós e nossas pequenas sinas…”, do Pedro Jansen, e “Nada a declarar”, do Alexandre Inagaki (com o ótimo curta homônimo de Gustavo Acioli).
P.P.S.: Falando de ajudar a Humanidade, você já viu a “campanha do John Lennon” para doar laptops para as crianças do mundo?




__________
Nota: Texto escrito atendendo ao pedido da leitora Van.


48 comentários:

  1. Gilberto Agostinho30 dezembro, 2008 01:41

    A respeito dos ogros, Ulisses, eu só comento isso por não ser a primeira vez que vejo você citando-os. Eu venho discutindo com uma grande amiga constantemente que a internet é o lugar mais propício para esse tipo de manifestação, dada a possibilidade do anonimato. Esse tipo de comentário são frustrantes, eu posso imaginar, e se expor a isso soa como um martírio. Mas eu acredito que existem pessoas que fazem valer a pena essa exposição. O OPS! está de parabéns pela qualidade dos blogs, venho elogiando-o e indicando-o constantemente. Já fiz amigos fantásticos por aqui, além de poder aprender e compartilhar coisas. Enfim, esta é uma das poucas opniões otimistas que eu venho tendo ultimamente. De resto, excelente texto como sempre. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Gilberto Agostinho30 dezembro, 2008 01:50

    Ah sim, acabei de ver o vídeo da “campanha do John Lennon” e queria saber a sua opnião a respeito disto.

    ResponderExcluir
  3. Ouvir frases hereditárias e cretinas como essas me irritam tanto... hehehe
    Vi o vídeo e como o Gilberto não vejo a hora de ler sua opinião hehehehe.
    Forte abraço, Ulisses.

    ResponderExcluir
  4. Sincronicidade é pouco, Ulisses! Depois de te desejar melhoras pelo pé, fui ler este teu último post. Como você foi feliz na forma como argumentou! Queria ter conseguido o mesmo lá no meu último post, mas precisei terminá-lo com uma desculpa esfarrapada para poder justificar sua precariedade...
    Enfim, o que valeu para mim foi mesmo ver que algumas observações são muito bem compartilhadas. É um esperançoso presente para o futuro 2009!
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente, esse espécie de ogro é apenas uma das que temos que conviver todos os dias. Quem não teve um colega de trabalho que ficar agourando as tarefas que tem pra fazer, dizendo: "isso não vai dar certo" sem ao menos ter tentado? Quem é que nunca viu cair sobre si um olhar de inveja e ouviu: "com esse dinheiro que você gastou nesse sapato daria para comprar três"? Ou ainda: "menina, você vai tomar esse sorvete todo?! Desse jeito vai engordar!", só pra citar algumas espécies de ogros infames.

    Na internet, protegidos pelo anonimato (quem sou eu pra falar disso, também?), é mais fácil dar vazão à inveja e mesquinhez. Não se chateie, responda sempre à altura, como fez agora.

    Feliz Ano Novo, Ulisses! Muita merda (sem quebrar a perna) e 2009 motivos para ser feliz!

    ResponderExcluir
  6. Ah! Tanta gente passando fome e você perdendo seu tempo com isso!!!

    ResponderExcluir
  7. Obrigada pelo texto. Se vc achou que eu não ia gostar, errou!
    Acho o máximo omodo como vc "manipula" as idéias.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  8. Vamos lá passarinho! Encha de água seu bico que a floresta está pegando fogo!

    Que tenhamos, em 2009, mais bicos para nos ajudar do que bicos para fazer críticas vazias.

    ResponderExcluir
  9. Reclamar, claro, é um direito intrinsecamente humano, mas, para ser sincero, eu não dou mais ou menos razão a qualquer dos lados -- seja o que reclama, seja o que emascula o reclamante.

    Prefiro que a reclamação seja na realidade um desabafo, uma troca de experiências ou, na melhor das hipóteses, um chiste.

    As verdadeiras reclamações, aquelas que verdadeiramente incomodam as pessoas, só têm duas alternativas: a ação ou o silêncio. Como diz o adágio chinês, que tento seguir à risca, "não amaldiçoe a escuridão; acenda uma vela (ou vá dormir)."

    De todo modo, ótimo texto e ótimo blog.

    ResponderExcluir
  10. aaa... Tanta gente passando fome no mundo e você se preocupando com isso?

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo texto de ótimo conteúdo!
    :D

    ResponderExcluir
  12. Carlos Alberto Montenegro02 janeiro, 2009 03:27

    Falando sério...

    Se por acaso você deixar de ler teus livros de bolso...

    1-) ...as criancinhas na Africa terão mais e melhores alimentos?
    2-) ... Israel e os árabes finalmente assinarão o acordo de paz?
    3-) ... Corinthianos e palmeirenses dar-se-ão as mãos e não mais falarão palavrões nos jogos?
    4-) ... Luiz e seus asseclas corruPTos deixarão de roubar, mentir e enganar?
    5-) ... Anameba Braga, Lourebe Camargo e Lucianta Gimenez farão pós graduação no MIT?

    Nada disto acontecerá.. portanto.... RECLAME E VÁ ATRÁS DOS SEUS LIVROS E OS OUTROS KICIFOD....


    Ah! Bom texto... muito bom!

    Abraços

    Carlos Alberto Montenegro

    ResponderExcluir
  13. Excelente, parabéns.

    Eu até respondia este tipo de comentário lá no meu blog mas depois de um tempo achei melhor deixar de lado, é o tipo de coisa que não merece resposta até porque quem escreve isto nem quer uma resposta mesmo.

    Vejo este tipo de comentário para todo lado e quando acho que devo responder algo acabo perguntando "o que isto tem a ver com o assunto" ou "uma coisa não anula a outra".

    Em todo caso, poderia discorrer longamente sobre o assunto até provar ao infeliz que ele não poderia fazer coisa alguma antes que O problema mais importante do mundo não fosse resolvido e, o principal, alguém decidiria por ele, qual seria o problema mais importante do mundo.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns! Excelente texto! Concordo plenamente com suas colocações.

    ResponderExcluir
  15. Sempre tem um ogro pra dizer que estamos reclamando de barriga cheia, ou que não devíamos criticar aquilo com que não concordamos ou que deveríamos estar fazendo coisa melhor ao invés de escrevermos sobre o que bem entendemos em um blog... Sempre tem. Gentalha, gentalha, hunf!

    ResponderExcluir
  16. Muito bom, gostei bastante do artigo.
    Só não vale questionar a inteligência de alguém por não gostar de literatura. A exemplo disso tem muito analfabeto que é rico num debate.

    ResponderExcluir
  17. Nossa! Seu texto lavou minha alma!
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  18. Tb não acho que a Literatura resolve todos os problemas da Humanidade. Nem a Literatura, nem a Biologia, nem o Sexo... nem nada... mas, rejeitar algum deles, com certeza só ajuda a atrapalhar mais ainda...

    ResponderExcluir
  19. Adorei o artigo! É uma excelente resposta aos medíocres que se pseudo-preocupam com a fome do mundo pra esconder sua alienação e ignorância frente a um assunto que desconhecem ou não tem uma opinião formada.

    ResponderExcluir
  20. Que massacre de Israel?

    ResponderExcluir
  21. Parabéns! Seu post está sensacional. Eu também abomino esse tipo de argumentação estulta, que se baseia em clichês falasciosos para criticar determinada atitude, ação ou investimento. Atacar a arte, a tecnologia, o esporte, a polícia, a ecologia, as instituições e diversas outras atividades é muito fácil, pois para atirar pedras não é necessário um cérebro desenvolvido, apenas mãos... Agora preciso ir. Tem muita gente passando fome no mundo, e eu aqui perdendo tempo precioso escrevendo este comentário ...

    ResponderExcluir
  22. Ocorreu-me mais um comentário, que envio, só para enriquecer. Tem também aqueles economistas-de-calçada-de-botequim que sempre dizem: "O governo investiu em (A) (B) e (C)! Tanta gente passando fome!".
    Isso também me enerva demais... Se um desses caras fosse o Ministro da Fazenda, não iater comida suficiente para se comprar com 100% do orçamento do Brasil...

    ResponderExcluir
  23. Excelente abordagem, esses comentários, como já dito, expoem a ignorancia do cidadão comum de como resolver problemas sociais.

    As mudanças que o mundo precisa, jamais se darão por atos isolados, repentinos, ainda que sejam praticados por milhões de pessoas, isso apenas apazígua a dor, a fome e outros fantasmas.

    As pessoas precisam re-aprender a viver, estou convencido de que alimentar um país da África, não vai impedir que ali haja fome nos próximos 20 anos.

    A guerra, não vai acabar com acordos de paz. O cidadão Árabe ou Judeu não quer guerra, quem as quer são seus "líderes".

    A guerra sustenta fortunas, poder, sem ela, os déspotas (não esclarecidos) se tornam meros notórios cidadãos do mundo, e isso não basta pra eles. Eles querem poder, dinheiro, prestígio e a manutenção de seu "império".

    Quanto ao vídeo, campanhas como esta são inúteis, lamentavelmente.

    Por que entregar um Laptop a alguém que mal sabe ler ?

    ResponderExcluir
  24. Gostei muito do texto.
    Estes dias mesmo, estava conversando com uma amiga sobre isso de sempre fugir de algum tema com "Tem coisas mais importantes que isso pra se resolver" e também já havia reparado que as mesmas pessoas que fazem isso são as que não fazem p**** nenhuma pra realmente contribuir com o que reclamaram.

    ResponderExcluir
  25. CONCORDO, putz isso não só se aplica a esse caso de crianças passando fome mas a tantos outros você exprimiu algo que eu já penso há anos..

    abraço

    ResponderExcluir
  26. Concordo com você quando o problema fome é usado para argumentar na falta de argumento.

    mas é bom nao ser generico e taxativo quando se fala que essas pessoas sao totalmente erradas ou burras ou absurdas, enfim.

    ser taxativo neste caso me soa bem "ogro", se é que me entendem.

    Nao gostei da pergunta final do post pois ela duvida um pouco da minha capacidade de estar empenhado no problema fome 100 durante meu dia e ainda ter tempo para ler um post.

    se ser um ogro é achar errado 10 madames terem uma associaçao que gasta mais de 30 mil com cachorros de rua/mes e ver essas madames dizerem na tv que gente nao é como bicho acho que eu vou ser eternamente um orgro.

    entao acho que a falta de capacidade em ver qualidade no questinamento taxativo/extremista tambem é taxativo/extremista é hipocrisia criticar um metodo e usá-lo para seu proprio argumento.

    ResponderExcluir
  27. a fome do mundo se resolve com vegetarianismo

    ResponderExcluir
  28. [...] Não que eu seja a favor de ter que aprender a reescrever o que já mal sabia, mas chega de se lamuriar por algo que já passou, né? Tu sabe que, enquanto tu tá aí, sentado em frente ao teu computador, um monte de gente tá sem ter o que comer e tu tá preocupado com isso com uns acentinhos ridículos? [...]

    ResponderExcluir
  29. Muito bom, Ulisses. Há um spin-off desse argumento "rico" que é o fato dos outros quererem que você resolva todos os problemas da humanidade - mas ninguém quer fazer a sua parte, é claro. Acomodação mental e vontade de pitacar na vida alheia.

    Obrigada por escrever este texto e compartilhá-lo na rede. :)

    ResponderExcluir
  30. Leituras recomendadas...

    O pai dos argumentos estúpidos, em Incautos do Ontem.

    Princípios, em Ideias na Janela.

    Fórmulas infalíveis para começar um post em 2009, em Ao Mirante, Nelson!

    Miles Davis e a íntegra das gravações de Kind of Blue (ouça!), em With Las...

    ResponderExcluir
  31. Olá! Primeira visita e gostei muito do assunto. Só não concordo muito que "Tanta gente passando fome no mundo e você se preocupando com isso?" seja exatamente um argumento. Parece mais um "Não entendo bulhufas do que cê tá falando, então vamos mudar de assunto?". Argumento no meu entender é quando um assunto é analisado ou questionado dentro de uma relação lógica e contínua de aceitação ou contrariedade. É preciso haver uma relação qualquer entre a ideia original e a réplica, o que não acontece nesses casos e que - concordo plenamente - representam uma enorme estupudez. Só acho que tratá-los como "argumentos" é lhes dar muito ibope, entende?
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  32. Tanta gente passando fome no mundo e vc aqui se justificando pra trolls

    hehe

    ResponderExcluir
  33. Sim, e quem diz isso vê os problemas de fome e guerra no mundo da forma mais egoísta possível: eles não existem para que eu levante a bunda da cadeira e faça alguma coisa, existem para que eu confortavelmente me refestele na minha "sorte" e pare de pensar. Como se fossem um consolo... Deprimente ainda é ver que tem gente aqui que não entendeu nada.

    ResponderExcluir
  34. lasanha, sushi, baratas ou gafanhotos...
    comidas que acabam com a fome...
    ler, saber e rir...
    alimentos que suprem por este instante...
    estou saciada e vc????

    ResponderExcluir
  35. lasanha, sushi, baratas ou gafanhotos...
    comidas que acabam com a fome...
    ler, saber e rir...
    alimentos que suprem por este instante...
    estou saciado e vc????

    ResponderExcluir
  36. Muito bom! Ficamos então com dois extremos pífios: de um lado, o "tanta gente morrendo...", e de outro o "e daí? eu tenho minha opinião, você tem a sua"

    Muito embora o "tanta gente morrendo" é perfeitamente cabível para solitários criadores preocupados de poodles, que se sentem sozinhos e vão passear, sozinhos, entre vários outros criadores de poodles ;)

    ResponderExcluir
  37. Eita mania de levar os argumentos ao extremo... concordo com você quando diz que não podemos deixar de viver, de ter vida social por causa dos grande problemas da humanidade. Precisamos dar significado a vida. Resta saber se podemos nos esconder por trás dessa assertiva. Quando um mendigo lhe pede algum dinheiro, você replica com um "o vagabundo só quer encher a cara de álcool!"? Porque ele não pode dar sentido a sua existência sofrida tomando uns tragos, enquanto achamos plenamente normal universitarios de classe-média chaparaem o coco em suas festinhas? Seria realmente insensível dizer que é porque esses jovens têm grana ou ainda que seus pais batalharam muito na vida para dar o melhor aos seus filhos. Não venhamos com a historinha do trabalhador em oposição ao vagabundo!
    Por fim, por mais que entenda que temos que viver nossa vida, fico triste em notar que as pessoas estão tão distantes da alteridade, da diferença. Parece haver a crença de que a preocupação com as baleias e as árvores são prioritárias. Muitos amantes dos animaizinhos - com sua irritante frase "quem não gosta de cãozinho, não tem coração, não é humano" - nem sequer se comovem coma necessidade dos OUTROS. E com OUTROS enfatizo os que estão fora dos seus laços familiares, das cercas de seus condomínios.
    Isso tudo me assusta...

    ResponderExcluir
  38. Tanta gente passando fome no mundo e tu escrevendo essas coisas... Bah, de última!

    (MUITO BOM MESMO!!! :¬)))

    ResponderExcluir
  39. [...] seja lá de qualquer município da República conheça a Constituição, não é mesmo, minha gente?O pai dos argumentos estúpidos - “Tanta gente passando fome no mundo e você se preocupando com isso?”15 perfis [...]

    ResponderExcluir
  40. Genial teu texto.

    O que eu responderia a essas pessoas que falam esses argumentos idiotas:

    Não é por que as minhas causas te parecem infundadas que eu vou parar de lutar por elas. Ao menos eu luto por algo.

    ResponderExcluir
  41. São justamente esses tipos de idiotas que não fazem absolutamente nada pra mudar a humanidade, esquecem-se que sentimento é sentimento, não importa se for o pesar por baleias ou final de uma boa história num livrinho de bolso, pois é justamente nesse tipo de manifestação que vc vê o tamanho de um coração. Parabéns por ser sensível e ter coragem de manifestar isso.

    ResponderExcluir
  42. Que droga e essa de "Os massacres cometidos por Israel"???? Tais recebendo dinheiro dos islâmicos. Ou será que vc é um islâmico.
    Sabe como é deprimente as pessoas que não sabem a verdade ficarem escrevendo sobre aquilo que elas não entendem. Com a internet ignorantes se passam por intelectuais. Realmente e a era do amadorismo mas um amadorismo muitas vezes imbecil e destrutivo. Só pra te da uma luz, na verdade não creio que vais ler isso mesmo, mas as mazelas na faixa de gaza a miséria é provocada pela Ramaz que usa a população como escudo e usa isso pra comover a opinião de pessoas ignorantes. Se um dia o Brasil tronar-se uma república islâmica que é o alvo deles, podes dizer adeus a esse teu blogzinho.

    Pra ficar mais interado e aprender a escrever alguma coisa real veja

    estupro de uma criança por ser cristã por um mussulmano.

    http://www.portasabertas.org.br/noticias/noticia.asp?ID=5081&Palavra=estupro&mode=allwords

    duas irmas sequestradas e estrupadas por mussulmanos e forçadas a serem cnvertidas ao islâ
    http://www.portasabertas.org.br/noticias/noticia.asp?ID=4869&Palavra=estupro&mode=allwords http://www.deolhonamidia.org.br/Publicacoes/mostraPublicacao.asp?tID=326

    ResponderExcluir
  43. [...] O pai dos argumentos estúpidos » Incautos do Ontem - via Livros e Afins [...]

    ResponderExcluir
  44. [...] Laerte é mesmo genial. ___Um dos clássicos aqui do Incautos é um texto de 2008 chamado “O pai dos argumentos estúpidos”. Nele, eu construo toda uma argumentação para demonstrar que problemas como o da Fome existem [...]

    ResponderExcluir
  45. Para uma pergunta imbecil, o texto perfeito....

    O pai dos argumentos estúpidos....

    ResponderExcluir
  46. [...] - “A história se repete”. Com um dos poucos poemas que eu publiquei aqui no blog. - “Literatura, bengalas e espadas” e “A proximidade dos infiéis aumenta a santidade de Compostela”. Algumas das minhas brincadeiras  interessantes de historiador. Se eu quisesse sentar para pesquisar, poderiam virar uns ensaios interessantes, mas, como tenho feito outras pesquisas, deixo essas amostras grátis. - “Ex-sonhadores”. Indicado pela leitora RoCosta, é um texto que chorei enquanto escrevia e que chorei, mais de uma vez, relendo. - “Diferentes perspectivas”. Normalmente, as crônicas que eu escrevo sobre o que aconteceu comigo durante o meu cotidiano são cheias de passarinhos*. Essa, entretanto, é 100% verdadeira e, melhor de tudo, ficou bem divertida. - Entre as análises literárias que faço, selecionei o ensaio “Como se fosse…” – comentando o conto “Mariana” (1871), de Machado de Assis, – e a postagem recente “Elvis, Madona & Machado de Assis” –, associando o conto machadiano “As Academias de Sião” com o novo livro do Biajoni. - A categoria que recebeu mais críticas na história deste blog é a “Sem carro por escolha”. Nela trato dos absurdos da nossa sociedade carrocrata, que dá mais valor aos automóveis do que à vida humana. Queria indicar muitos artigos dela, mas resolvi que três que ilustram bem o meu ponto de vista sobre o assunto já são o bastante: “190 km/h é crime. 60 km/h também deveria ser.”, “‘Acidente’” e “Dê passagem ao rei”. - “Quase um lorde”. Um dos poucos contos de ficção pura e simples que eu publiquei por aqui. - “NoCu da professora”. Pode não ser, nem de longe, o melhor texto que eu escrevi, mas, sem sombra de dúvida, é um texto necessário para qualquer um que tenha um mínimo interesse que seja em Educação. - Selecionei dois textos sobre política nacional: o primeiro (indicado pelo leitor João Ota) desmentindo um desses e-mails-spams que bóiam por aí; o segundo, um mais recente, sobre as mentiras do PSDB sobre a Educação. Não sei se são textos tão bons assim, sei que são datados, mas achei que valia à pena um parzinho dos textos sobre política que costumo publicar aqui. - “Think different”. Não só é uma postagem com uma das minhas traduções de tiras, como eu ainda trabalho com ideias diferentes que me agradam bastante. - “Petit gâteau fast food”. Não entendo nada de cozinha, mas essa minha receita é bem válida. - “Como foi feito o Eclipse do Yahoo!”. Depois de muita pesquisa, expliquei nesse texto como o Yahoo! conseguiu fazer um eclipse. - “Minhas camisetas do Che”. Dicas para quem quer me dar um presente. - “Boa sorte para dançarinos”. Dançarino que sou, achei que valia a pena ensinar às pessoas como desejar boa sorte para quem trabalha com dança. - “Top 10: Asterix e as melhores porradas que os gauleses já deram nos romanos”. Creio que esse é o único Top 10 que eu fiz desde que fundei o blog. Saiu bem interessante, principalmente para quem gosta de quadrinhos. - “Mitologias”. Essencial para quem pretende pensar religião, não simplesmente acreditar. Os comentários são uma diversão à parte. - “Não vamos confundir nossas crianças: manifesto contra quem quer tornar o mundo um lugar pior”. O texto em si já é interessante, mas, também, fica melhor ainda com os comentários. - “Meu precioso…”. Alguns dos meus pontos de vista sobre uma discussão eterna: o Amor. - “O Auto da Barca da Censura”. Uma pequena paródia do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. Provavelmente é um texto um pouco datado, mas eu gostei do resultado. - Por fim, o texto mais famoso do blog (indicado pelos leitores Melissa e João Ota), “O pai dos argumentos estúpidos”. [...]

    ResponderExcluir
  47. [...] O pai dos argumentos estúpidos – “Tanta gente passando fome no mundo e você se preocupando com isso?” [...]

    ResponderExcluir

Site Meter