17 dezembro, 2010

Resultados impossíveis

___Convidei os alunos para verem uma exposição comigo, na Pinacoteca, sem valer nota, sem obrigação, no domingo de manhã. Amanheceu um domingo frio, bem frio. Na volta, minha cunhada, também professora, disse, “Não foi ninguém, né?”. Feliz, respondi, “Foram mais de 20 alunos.”.
___Montei um curso fora da grade normal da escola para analisar historicamente o Decameron, do Boccaccio. Toda semana era necessária a leitura de pelo menos um conto. Minha mãe disse, “Isso vai dar trabalho para os alunos, não vão nem cinco.”. Até o fim do curso, tive uma média de 30 alunos por aula.
___Montei um curso extra sobre Mitologia Nórdica. O diretor do colégio disse, “Devem aparecer uns 30.”. Tiveram dias com mais de duzentas pessoas.
___Juro que não entendo o que essas pessoas do mundo falam sobre alunos desinteressados.


###


___Lecionei para vestibulandos. Curso de sábado, eu dava a última aula. Eles passavam o dia todo tendo aula, desde as 7h da matina e eu só chegava depois das 17h. Ninguém mais devia aguentar ficar na carteira. Sabem o que acontecia? Quando eu entrava, alguns aplaudiam, muitos sorriam. Ouvia coisas como, “Agora é o Ulisses. Esperei o dia todo por isso.” ou “Ainda bem que é o Ulisses. É pro dia fechar bem.”.
___Não vou mentir e dizer que 100% dos alunos 100% do tempo estão interessados. Mas, o número não fica muito longe disso na maior parte das vezes. Não sei como os outros professores conseguem viver sem isso. Parece que todo mundo acha que os alunos são sempre pessoas desinteressadas e que é impossível isso mudar.
___Não pensem que todas as aulas que eu dou são boas, que todos os assuntos ensinados são divertidos. Porém, em todas eu tento fazer com que o assunto seja claro e interessante, procuro exemplos divertidos e curiosidades históricas, atividades diferentes e recursos atípicos, bibliografia estranha e a clássica. E, digo: dá um trabalho do cão. Quando falha, fico puto, mas levanto, tento descobrir o que falhou e melhoro a próxima.
___Alunos interessados e empolgados por alguma matéria, com algum conteúdo, não é só coisa de filme. Só é necessário se esforçar de verdade. Com sorte, talvez até alguns subam nas carteiras recitando partes de um poema de Whitman.


#####


P.S.: Antes que alguém venha atacar algum professor do mundo, nunca se esqueçam: mesmo as melhores aulas poderiam ser ainda mais primorosas com boas condições – materiais de qualidade, poucos alunos por sala (nunca mais que 25), bons salários, etc..
P.P.S.: Para os mais céticos, saibam que os exemplos que eu citei não são um apanhado dos melhores da minha vida, são apenas bons exemplos deste ano. Duvidam? Perguntem para os meus alunos.

8 comentários:

  1. Eu realmente, como aluno não duvido. Eu lembro de ter tido professores que tentaram fazer a diferença e outros que só tinham o interesse em cumprir um programa de ensino. Dá para saber qual dos dois realmente chamava a atenção dos alunos.

    Quando eu fazia minha graduação que dava para realmente perceber isso, existem professores que procuravam levar pequenos experimento para a sala diferentes daqueles que nós esperaríamos e outros que chegavam com um maço de papel pautado que provavelmente eram mais velhos do que eu.

    Eu tenho certeza que você consegue advinhar qual deles reclamava de alunos desinteressados.

    ResponderExcluir
  2. Nesse meu ultimo ano escolar tive muita dó de muitos professores, nada deu certo, em vez da escola fazer 3 salas com 30 alunos, eles fizeram 2 com 45(quarenta e cinco!!!!!!!!!!!!!!!!), teve aquela greve de um mês que não deu em nada, a ainda por cima Alkiminho foi eleito.
    Mas o mais tragi-cômico foi uma excursão "programada" pela escola para ver o museu da energia, o problema é que foi tão bem programado que a escola não sabia que ali não era mais o museu da energia e sim o da imigração em São Paulo.....

    Enfim, no meio desta bagunça toda, muitos desistiram no meio do caminho e algumas vezes no ano ficavamos sem professores de certas matérias por meses.

    Mas os professores que mesmo com essas péssimas condições, continuavam a tentar passar conhecimento de forma interessante, terão o meu respeito e admiração.
    As aulas realmente eram muito boas, mesmo compradas com as que eu tinha na escola particular, alguns foram tão eficazes que lembrarei deles para o resto da minha vida, pois tenho certeza que eles não precisavam se submeter aquelas condições. Mas continuvama pois acreditavam que aquilo era o certo a se fazer.

    Mas até agora fico com raiva dos alunos espinhos, que mesmo com todo aquele entusiasmo de poucos professores, continuvam a espinhar e atrapalhar a todos.Então acho que no final das contas...ainda existem alguns alunos que são desinteressados....se bem que as condições ajudavama criar essa situação.

    ResponderExcluir
  3. O que eu vou dizer aqui você já sabe, mas só para os seus leitores saberem também, além de você ter alunos que esperam o dia inteiro pela suas aulas, tem alunos que adoram começar o dia por elas. Na Etesp há alunos de todos os cantos de São Paulo e até de fora, muitos precisam pegar trens, metrô e ônibus para chegar antes da 7h30 e, no entanto, toda quarta-feira de manhã eu ouvia diversos alunos dizendo: “Ainda bem, hoje a primeira aula é do Adirt!” (Sem contar que tinha alunos que só chegavam na primeira aula as quartas!)
    Ou então: “Vamos cabular a próxima aula e rever a de História? Hoje a aula foi foda!” E sempre suas aulas foram lotadas de alunos da sua e de outras classes.

    Tenho pena de professores que não sabem o que é isso e não tem o carinho que você tem dos alunos.

    Mas não é para menos, só estamos retribuindo todo o cuidado que você tem por nós!

    ResponderExcluir
  4. Sensacional, Ulisses. Teria adorado ter aula de mitologia nórdica no colégio, aliás até hj.

    Bons professores assim existem mesmo. Tive a sorte de ter alguns.

    Bacana saber que vc é um deles. :)

    ResponderExcluir
  5. Resumindo...
    Existe problematica e solucionatica.
    Escolha seu lado.
    ou como disse o Cardoso,
    Haters Gonna Hate, mas Life Goes On.
    http://del.icio.us/post?url=http%3A%2F%2Fwww.contraditorium.com%2F2010%2F11%2F24%2Fhaters-gonna-hate-mas-life-goes-on%2F&title=Haters+Gonna+Hate%2C+mas+Life+Goes+On%26%238230%3B
    Aloha!

    ResponderExcluir
  6. Se quiser, vc é bem vindo em qquer curso q eu montar, Tiago.

    Ah... se quiser uma bibliografia, é só pedir.

    ResponderExcluir
  7. Nossa. Eu também iria nesse seu curso de mitologia nórdica de certeza absoluta.
    De novo: ai que saudade das minhas aulas de história no colégio, as únicas em que eu prestava atenção...

    ResponderExcluir
  8. Fui aluna do Ulisses no curso de Mitologia Nórdica, e a verdade é que: as aulas eram espetaculares! Ele conseguia envolver as pessoas de tal modo que, muitas delas e inclusive eu, abriam mão do almoço para não se atrasar para a aula. XD
    Adorava as interpretações e a tecnica de usar o que estivesse por perto como acessório para a histórias.

    Muito obrigada professor, foi uma honra assistir suas aulas. =D
    Abraços

    ResponderExcluir

Site Meter