05 março, 2010

Admirável Capote Novo



___Escrever um pequeno texto, de umas vinte e tantas páginas, e receber, dos grandes autores do seu tempo, o panegírico de que toda uma geração de escritores veio daquelas linhas, não é pouca coisa. Publicado em 1842, "O Capote", de Nikolai Gogol, merece, de longe, os elogios que costuma receber.
___Uma ironia fina, digressões bem pontuadas, uma narrativa clara (mesmo que cheia de omissões) e, principalmente, uma metalinguagem de deixar qualquer fã de Machado com água na boca, fazem do Capote uma leitura imperdível. Nas palavras de Amit Lahav, diretor artístico da Cia de Teatro Britânica Gecko, “A estória de Gogol é cômica e terrível – ao mesmo tempo uma mordaz sátira social, uma fábula moralista e um estudo psicológico.”.
___Enquanto Gogol conseguiu esse maravilhoso efeito utilizando palavras, o grupo Gecko montou um espetáculo baseado de maneira bem livre na obra, quase sem precisar de falas para se comunicar com a platéia. Para dizer a verdade, palavras não faltam; só que a Babel de oito ou nove idiomas que são utilizados durante a peça obviamente não servem de referência para que o público entenda algo.



___Os sons, os gestos, as coreografias, os cenários, os olhares ajudam a montar toda uma narrativa-“muda” que força a platéia a abstrair tudo o que pode para entender esse novo Capote. A história não é a que Gogol escreveu; o modo de contar também é excentricamente outro. A semelhança entre o conto e a peça talvez esteja na constante possibilidade de surpreender a audiência atenta.
___Para não abandonar essa profusão de estranhezas, meu conselho aos leitores é que conheçam os dois Capotes – começando pela peça.

###


P.S.: Quem, sabiamente, quiser seguir o meu conselho, corra: a peça só fica em cartaz aqui em Sampa até o fim deste domingo, no Teatro do Sesi São Paulo (depois viaja para Brasília). Serão quatro apresentações. Para mais detalhes, confiram o site da FIESP.

2 comentários:

  1. Aloha Ulisses!
    Downloaded.
    Na lista.
    Aloha!

    ResponderExcluir
  2. Puxa, Luis. Pena que vc não é daqui. Do jeito q vc gosta de música... aposto q iria babar pela sonoridade da peça.

    Abração.

    ResponderExcluir

Site Meter