13 dezembro, 2010

Incautos Clássicos

___Faz um tempo, cogitei deixar na barra lateral direita uma seleção de alguns bons textos do Incautos. Desde então, tive dois problemas, um de espaço e outro de competência.
___O de espaço é que as barras laterais da direita foram ganhando cada dia mais itens. O que foi acrescentado (o banner do Submarino e os feeds do O Pensador Selvagem) não é precisamente meu, mas é importante para o blog. O portal que abriga o blog (e me manda uma latinha de caviar todo mês) precisa de publicidade e grana para sobreviver e, portanto, justificadas estão as propagandas. Só que elas ocupam espaço e, portanto, a barra lateral, superlotada, não me parece ter espaço para algo extra.
___O problema da competência, é a minha completa incapacidade de escolher o que colocar como clássico da casa. Como uma criança em carrinho de doces (ou em buffet de salada, caso alguém não goste do blog), eu não sei o que escolher. Mas, de orelha puxada por alguns leitores (publicamente pelo João O.), acabei me vendo obrigado a respirar fundo e terminar a seleção.
___Portanto, mesmo sem colocá-la por agora na barra lateral, mesmo sendo uma lista da qual eu não tenho bem certeza se escolhi os textos certos, ficam, abaixo, alguns textos mais famosos ou apreciados do blog.


###


- “A história se repete”. Com um dos poucos poemas que eu publiquei aqui no blog.
- “Literatura, bengalas e espadas” e “A proximidade dos infiéis aumenta a santidade de Compostela”. Algumas das minhas brincadeiras  interessantes de historiador. Se eu quisesse sentar para pesquisar, poderiam virar uns ensaios interessantes, mas, como tenho feito outras pesquisas, deixo essas amostras grátis.
- “Ex-sonhadores”. Indicado pela leitora RoCosta, é um texto que chorei enquanto escrevia e que chorei, mais de uma vez, relendo.
- “Diferentes perspectivas”. Normalmente, as crônicas que eu escrevo sobre o que aconteceu comigo durante o meu cotidiano são cheias de passarinhos*. Essa, entretanto, é 100% verdadeira e, melhor de tudo, ficou bem divertida.
- Entre as análises literárias que faço, selecionei o ensaio “Como se fosse...” – comentando o conto “Mariana” (1871), de Machado de Assis, – e a postagem recente “Elvis, Madona & Machado de Assis” –, associando o conto machadiano “As Academias de Sião” com o novo livro do Biajoni.
- A categoria que recebeu mais críticas na história deste blog é a “Sem carro por escolha”. Nela trato dos absurdos da nossa sociedade carrocrata, que dá mais valor aos automóveis do que à vida humana. Queria indicar muitos artigos dela, mas resolvi que três que ilustram bem o meu ponto de vista sobre o assunto já são o bastante: “190 km/h é crime. 60 km/h também deveria ser.”, “‘Acidente’” e “Dê passagem ao rei”.
- “Quase um lorde”. Um dos poucos contos de ficção pura e simples que eu publiquei por aqui.
- “NoCu da professora”. Pode não ser, nem de longe, o melhor texto que eu escrevi, mas, sem sombra de dúvida, é um texto necessário para qualquer um que tenha um mínimo interesse que seja em Educação.
- Selecionei dois textos sobre política nacional: o primeiro (indicado pelo leitor João Ota) desmentindo um desses e-mails-spams que bóiam por aí; o segundo, um mais recente, sobre as mentiras do PSDB sobre a Educação. Não sei se são textos tão bons assim, sei que são datados, mas achei que valia à pena um parzinho dos textos sobre política que costumo publicar aqui.
- “Think different”. Não só é uma postagem com uma das minhas traduções de tiras, como eu ainda trabalho com ideias diferentes que me agradam bastante.
- “Petit gâteau fast food”. Não entendo nada de cozinha, mas essa minha receita é bem válida.
- “Como foi feito o Eclipse do Yahoo!”. Depois de muita pesquisa, expliquei nesse texto como o Yahoo! conseguiu fazer um eclipse.
- “Minhas camisetas do Che”. Dicas para quem quer me dar um presente.
- “Boa sorte para dançarinos”. Dançarino que sou, achei que valia a pena ensinar às pessoas como desejar boa sorte para quem trabalha com dança.
- “Top 10: Asterix e as melhores porradas que os gauleses já deram nos romanos”. Creio que esse é o único Top 10 que eu fiz desde que fundei o blog. Saiu bem interessante, principalmente para quem gosta de quadrinhos.
- “Mitologias”. Essencial para quem pretende pensar religião, não simplesmente acreditar. Os comentários são uma diversão à parte.
- “Não vamos confundir nossas crianças: manifesto contra quem quer tornar o mundo um lugar pior”. O texto em si já é interessante, mas, também, fica melhor ainda com os comentários.
- “Meu precioso…”. Alguns dos meus pontos de vista sobre uma discussão eterna: o Amor.
- “O Auto da Barca da Censura”. Uma pequena paródia do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. Provavelmente é um texto um pouco datado, mas eu gostei do resultado.
- Por fim, o texto mais famoso do blog (indicado pelos leitores Melissa e João Ota), “O pai dos argumentos estúpidos”.


###


___Espero que apreciem a seleção. Mais um pouco, lanço um livro. ;-)


__________
* Para quem não sabe o que é um passarinho em um texto, recomendo essa crônica do Mario Prata e essa da Carol Costa.

4 comentários:

  1. [...] This post was mentioned on Twitter by Diângeli Soares, O Pensador Selvagem. O Pensador Selvagem said: OPS! > Blog Incautos do Ontem: Incautos Clássicos | http://bit.ly/dWdvfv [...]

    ResponderExcluir
  2. Olá Ulisses! O puxão de orelha não era para doer... mas fico contente que ele o ajudou a fazer uma pequena seleção.
    'By the way', que honra ser citado duplamente nesse post! Não sei se vc reparou, mas o email que coloquei nos comentários foi o mesmo, apesar de ter abreviado meu nome... =)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. O puxão de orelha foi necessário pois, sem ele, talvez eu ficasse pensando ainda por mais tempo "Vai esse texto ou esse...?". Valeu.

    A honra é minha por ter leitores como vc, João. Apareça (e comente) sempre.

    Ah... e, sim, eu sabia q os dois eram vc. :-)

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. [...] Pergunta: Quando sairão os “Clássicos do Ulisses”? Resposta: ___Desculpe-me pela demora. Já saíram. Aqui estão. [...]

    ResponderExcluir

Site Meter