23 setembro, 2013

Uma história real e uma despedida

___Eliane Brum é (ou melhor, era) uma das melhores colunistas da atualidade. Toda segunda-feira, no site da revista Época, ela publicava lindos textos de análise da nossa sociedade; falava maravilhosamente de assuntos que a maior parte dos jornalistas normalmente esquece. Hoje ela publicou sua última coluna por lá.
___Talvez para indicar para quem não conhece, quiçá para aplacar a minha tristeza de saber que não mais poderei lê-la às segundas, deixo com vocês a última das três histórias que Eliane escolheu para a sua despedida. Deixo o link para que vocês possam ler todo o seu último texto e o link para toda a coluna, com os textos anteriores, que eu recomendo sem a nenhuma censura. Aproveitem. 
###
Meus tios buscavam as horas a cavalo, como contei uma vez aqui. Na casa da zona rural era missão dos mais velhos dar corda no relógio de parede. Mas acontecia de alguém esquecer sua tarefa e, no espaço de uma batida, o som da passagem da vida cessava. De fato não fazia falta porque a natureza marcava o tempo e eles dela eram parte. Mas a ausência do tique-taque com os dias ia se tornando uma presença de mau augúrio, porque vida vivida é vida marcada. Antes que o mundo se desarranjasse, meu avô despachava um filho para a cidade. Dava a ele seu relógio de bolso, sempre parado até essas emergências temporais. Um dos meus tios encilhava o cavalo, só usado em ocasiões de importância, e lá se ia galopando por 13 quilômetros no encalço das horas. Sabia onde encontrá-las. Na praça central de Ijuí, de um lado postava-se a igreja católica, de outro a evangélica, a dividir almas e poderes. Mas só a evangélica ostentava na torre um relógio que dominava a cidade. Meu tio dava as costas para a sua fé, com a certeza de que o padre o perdoaria, e com as mãos desajeitadas pela enxada guardava as horas no relógio de bolso. Galopava de volta com o tempo enfiado nas calças. E o coração da casa voltava a bater lembrando que a vida acaba. 
Esse relógio seguiu tiquetaqueando enquanto as mortes se sucediam, assim como as estações, e a casa lentamente foi virando terra. Chegou a minha vez de buscar o tempo para colocá-lo na minha parede, em cima da escrivaninha-xerife. Não mais a cavalo, agora são mil quilômetros, mas de avião, um carro, talvez um ônibus. Tentarei não me esquecer de dar corda.
Compartilho essa memória pessoal para dizer que o tempo que passei aqui com vocês me ajudou a inventar uma vida com sentido. E agradeço – profundamente – pelo tempo que cada um me deu ao ler esta coluna, porque sei o quanto esse gesto é largo. Escolhi me despedir das segundas-feiras. E buscar novos dias.

Um comentário:

  1. credo ulisses quem eh essa umazinha? olha o texto dela q vc lincou. a primeira historia eh toda machista de um cara mexendo com uma mulher em publicoe a autora ainda acha bonito. credo

    ResponderExcluir

Site Meter