06 junho, 2008

Ex-sonhadores

_____Faz uns dez anos que ensino História. Adoro o que faço e fico contentíssimo de fazer com que meus alunos acabem gostando, também, da matéria. Em todos esses anos, já dei aula para muitos estudantes, de tudo quanto é idade. Que eu saiba, até hoje, apenas dois dos meus alunos morreram.

_____O primeiro foi um garoto da sexta série (atual sétimo ano), em 2002. Ele teve câncer, diagnosticado em meados do segundo bimestre escolar, e parou de ir para a aula até as férias do meio do ano. Após as férias, ele voltou carequinha e ia em algumas semanas e deixava de ir em outras. Quando ia, era fascinante a vontade que ele tinha de aproveitar cada momento na escola – cada vez que tinha que utilizar o caderno, pergunta que deveria responder, foto que iria ver. Ele parecia achar aquelas idas para a sala de aula a melhor coisa que existia no mundo. Perto do fim do quarto bimestre, ele teve uma nova recaída e morreu.

_____Fui ao enterro dele. Foi muito triste. Fiquei até contente que estava chovendo torrencialmente, assim eu não precisei ficar conversando com ninguém. Após enterrarem o corpo, quase no momento que eu estava indo embora, a coordenadora pedagógica do colégio me encontrou e disse que queria me apresentar a mãe do garoto.

_____– Olha, esse aqui é o Adirt, o professor de História do Fe...

_____Antes que a coordenadora pudesse concluir a frase, a mãe do garoto pulou no meu pescoço me abraçando, chorando mais do que já estava. Entre os ganidos de choro ela falou mais ou menos o seguinte: “Você não sabe o quanto você foi importante para o meu filho. Ele adorava suas aulas, sempre comentava delas em casa. Você nem imagina o quanto ele se esforçava para não faltar nos dias em que você lecionava. Obrigado. Obrigado.”.

_____Eu não sabia o que fazer. Não imaginava como reagir. Só sei que chorei quase que o caminho todo de volta para casa.

*****

_____Há uma semana, mais ou menos, eu soube da outra morte.

_____Ano passado eu lecionei em um cursinho de Guarulhos, no período noturno. Uma de minhas estudantes era uma dedicada menina chamada Vanessa. Ela ia em horários extras para assistir as minhas aulas, lia textos que eu indicava, corria atrás de filmes, peças e exposições que eu comentava, perguntava sempre dezenas de dúvidas antes das aulas. Adorava as Humanidades.

_____Teve que ralar até não poder mais. E, o melhor de tudo, conseguiu o que queria: entrou em uma universidade pública.

_____Ela manteve um leve contato virtual comigo. Foi o bastante para que eu pudesse perceber que a paixão dela pelos estudos continuou firme e forte na faculdade (ela nunca parou de pedir indicações, por exemplo). Inteligente, linda, esperta, descontraída e ótima de papo, deve ter sido uma companhia fantástica para os seus colegas de faculdade; assim como foi uma aluna que me deu muito prazer.

_____No final do mês passado, foi para a casa da família passar o feriado. Nas proximidades do Aeroporto de Guarulhos, entretanto, ela foi assassinada de maneira absurdamente brutal.

_____Eu soube da notícia por meio de uma aluna* e, desde então, venho tentando escrever um texto sobre a Vanessa. Clio sabe, nada do que escrevi me agradou até agora (nem mesmo este texto aqui), mas acho importante falar sobre ela.

*****

_____Tanto o Felipe quanto a Vanessa eram pessoas cheias de sonhos. Sei que ambos eram bem jovens, mas a verdade é que nenhum deles pareceu desistir de nenhum dos seus sonhos (pelo menos dentro da minha sala de aula). Isso eu espero ter aprendido bem com eles.

P.S.: A notícia do assassinato da Vanessa, pelo que eu vi, não saiu em nenhum jornal minimamente descente. De qualquer modo, para quem quiser saber mais sobre o assunto, ficam aqui uns links.

__________

* Obrigado, Patty.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Site Meter