26 julho, 2014

"Jagunços"

___Escrever é algo que demanda muito cuidado. Dependendo do seu público, o cuidado deve ser dobrado. E-mails para o chefe e convites para a sogra, por exemplo, precisam de um cuidado gigantesco. Livros didáticos também. 
___Dia desses, preparando uma aula sobre a Guerra de Canudos, peguei o livro didático que foi distribuído para os alunos da escola pública em que eu trabalho (História Geral e do Brasil, de Cláudio Vicentino e Gianpaolo Dorigo. São Paulo: Scipione, 2012.). Em meio a um texto aceitável sobre o tema, encontro a seguinte imagem:

"quatrocentos 'jagunços' feitos prisioneiros"

___Atentem para a legenda. “Imagens do Arraial de Canudos (1897): acima, quatrocentos jagunços feitos prisioneiros”. Até mesmo uma frase pequena deve ser escrita com o maior dos cuidados. Uma palavrinha pode colocar tudo a perder. 
___Segundo o Dicionário Priberam, jagunço é o “Homem que serve de guarda-costas a uma personalidade. / Pessoa de mau caráter.”. O Houaiss define como “cangaceiro, criminoso foragido ou qualquer homem violento contratado como guarda-costas por indivíduo influente”. Olhem a imagem com atenção. Essas definições se aplicam a ela? São mesmo “quatrocentos jagunços feitos prisioneiros”?
___Deixem-me fazer alguns recortes. 

Canudos: sobreviventes capturados (detalhe)

___Serão essas mulheres do canto esquerdo um “homem violento contratado como guarda-costas por indivíduo influente”? Ou serão simplesmente “Pessoa(s) de mau caráter”?

Canudos: sobreviventes capturados (detalhe)

___E essas crianças na parte da frente da foto? Qual delas será um jagunço sanguinário? A pelada esquelética ou a com cara de morta de fome?
___Algumas pessoas podem dizer que esse é apenas um detalhe bobo. Eu, como professor de História, sei bem a força que palavras podem ter para influenciar a forma das pessoas pensarem e agirem. Querer enxergar todos os moradores da aldeia de Belo Monte como jagunços é algo podre. Provavelmente tão podre quanto tratar como criminosos todos os ativistas que ousaram se levantar contra o governo durante a Copa

###


#####

P.S.: Quando a imprensa carioca e baiana falava sobre a Guerra de Canudos, no final do XIX, ela se referia a todos os seguidores de Antônio Conselheiro como jagunços. Entretanto, isso não é desculpa para um livro didático tratar os pobres moradores do local dessa forma pejorativa. 
P.P.S.: Falei tudo isso no texto, mas vale ressaltar que, apesar dessa escorregada, o livro didático História Geral e do Brasil, do Cláudio Vicentino e do Gianpaolo Dorigo, não é ruim. 

2 comentários:

  1. Ainda hoje discriminam esses brasileiros massacrados a mais de 100 anos atrás.

    ResponderExcluir
  2. Ainda hoje discriminam esses brasileiros massacrados a mais de 100 anos atrás.

    ResponderExcluir

Site Meter