18 abril, 2011

Comentários sobre a Virada Cultural

___Desde o finalzinho da tarde de sábado, rolou, aqui em Sampa, a Virada Cultural – 24 horas de atividades culturais espalhadas por diversos cantos da cidade (com um enfoque muito maior no Centro). Eu me diverti horrores. Enquanto me divertia e flanava pela cidade, fiquei com vontade de fazer publicamente vários comentários, de contar algumas histórias. Seguem abaixo.


###


___Não tenho dúvidas de que as pessoas exageram bastante com essa ideia de morte prematura dos jornais e revistas impressos por causa da internet. Enquanto revistas semanais continuarem vendendo uma página determinada (apenas uma!) por mais de 200 mil reais*, achar que esses veículos vão acabar logo é ilusão.
___Mesmo assim, ver os guias da Virada publicados pelos jornais totalmente incompletos, com indicação para o site www.viradacultural.org como solução para preencher as lacunas é muito bizarro. É praticamente um atestado de que a turma dos impressos está a entregar os pontos.


###


___Todo ano aparecem os chatos que conclamam que “Não tem nada de bom neste ano! A Virada passada estava muito melhor.”. Normalmente, não se explicam, não argumentam, apenas dizem sentir saudades de um passado idílico – em que devia chover leite, camisinhas e mel.
___Sempre acho que essa gente ficou as 24 horas em casa ou que fomos a eventos diferentes. Só para citar duas boas pedidas deste ano:
- o palco diferente de stand-up comedy;
- o pessoal do Beatles 4ever apresentando a discografia completa do quarteto inglês em ordem cronológica.
___Os dois eventos foram ótimos e duraram a Virada Cultural inteira. Só é possível dizer que não havia nada de bom para ver ficando em casa.


###


___Adoro encontrar algumas pérolas por mero acaso.
___Fui ver o Encontro de Contadores de Histórias, no Centro da Cultura Judaica: o tema da noite eram histórias indígenas. Difícil não ser bacana.
___O fantástico é que, além das clássicas e interessantes histórias indígenas, conheci a contadora Kiara Terra. Com a proposta de uma “História Aberta”, Kiara montou, com as intervenções do público, a narrativa de um mito indígena de criação. Fiquei completamente apaixonado.


###


___Procurando um palco específico, fui pedir informações para um par de policiais. Um deles me respondeu simpaticamente, enquanto o outro ficou me olhando desconfiado, mão no cassetete.
___Afastei-me, depois de falar com eles, e me dirigi à minha noiva que, de longe, apenas observava a cena.
___– Amor, você viu como um dos policiais estava me olhando?
___– Vi...
___– Por que será que o segundo parecia tão desconfiado?
___– Culpa sua. Você vai pedir informações com isso na cabeça. – respondeu ela, olhando para cima.
___Para não queimar a minha cabeça (que cada vez parece ter menos cabelo para se proteger sozinha), fui à Virada de boné. O problema é que era um boné do MST. Será que o segundo policial ficou receoso que eu fosse invadir algum palco improdutivo?


Boné - MST


###


___Se plantassem uma flor para cada imbecil que já existiu, o mundo seria um gigantesco jardim. Mesmo assim, felizmente, durante o dia-a-dia, os idiotas acabam diluídos pelo cotidiano. São nos seus horários de folga e – principalmente – quando estão em grupos que os imbecis fazem questão de deixar claro para todos quem são.
___Cito dois casos ilustrativos, presenciados durante a Virada Cultural, de como os idiotas se sentem mais à vontade para mostrarem seus talentos quando em manada grupo.
___Em meio a uma peça na rua, três rapazes pararam a certa distância do palco e começaram a mexer com uma das atrizes. Ignorados, eles começaram a gritar, impedindo qualquer um de ouvir a montagem. A baderna só parou quando a atriz, docemente, fez um tchauzinho e convidou-os para ver o espetáculo. Não que eles tenham parado para ver, mas, depois do convite, resolveram se retirar.
___O segundo caso aconteceu no metrô. Lendo calmamente em um banco do trem, ouvi uma grande algazarra. Levantei os olhos e vi um monte de jovens, cabelos e roupas coloridas, correndo para o próximo vagão. A porta fecha; abre novamente. No alto-falante, um funcionário do metrô pede para que os passageiros não segurem as portas do trem. O metrô parte, chega à próxima estação. A cena se repete: gritaria, o mesmo grupo de jovens correndo para algum vagão, porta fechando e abrindo, trem demorando para partir.
___Na estação seguinte, novamente a balbúrdia. Desta vez, o grupo que fazia a molecagem entrou no vagão em que eu estava. Alguns entram e começam a gritar “Segura! Segura a porta para o resto entrar.”. Vejo que o grupo é bastante grande. Junto com eles, entra um par de seguranças. O mais alto começa a gritar:
___– Vamos parar com esta putaria! Vocês acham que só vocês pagaram passagem? Não percebem que estão atrapalhando a viagem de todo mundo? Se isso acontecer novamente, eu faço todo mundo descer na próxima estação!
___O grupo finalmente pára quieto. Será que pararam por medo do segurança ou, com a fala dele, finalmente perceberam que estavam incomodando a todos segurando o trem? Imagino que seja pela primeira opção, a vida dos outros não parecia realmente uma preocupação para aquele rebanho.


###


___Por fim, o fenômeno que mais me agradou na Virada Cultural deste ano foi a liberdade que os artistas de rua independentes conseguiram.
___Desde 2010, a prefeitura e o governo do estado vergonhosamente têm impedido a livre apresentação de artistas em alguns locais de São Paulo. Durante a Virada, entretanto, os artistas de rua aproveitaram a dificuldade da polícia para identificar quem era contratado do governo e quem era artista independente e saíram pela cidade mostrando seu trabalho – e, claro, passando o chapéu. Pena que não é assim que acontece todos os dias.


__________
* Vide, por exemplo, o mídia kit da Veja.

6 comentários:

  1. A princípio, acho a virada um evento ótimo, que oferece shows gratuitos e a oportunidade de apropriação do centro da cidade. Ao mesmo tempo, acho assustador que essa seja uma das únicas oportunidades de apropriar-se do centro, de viver a cidade e de participar de um festival de cultura organizado pela prefeitura - existem outros, eu sei, mas minha crítica é à visão institucional da coisa: como o poder público enxerga a utilização do espaço...público.

    Gostei do que vi na virada, e gostaria de ter visto mais. Destaco a apresentação da Orquestra de Câmara da USP com a The central scrutinizer band (cover do Frank Zappa) que foi muito boa, bem como deve ter sido a do Sepultura com a Orquestra Experimental de Repertório.

    ResponderExcluir
  2. Percebi que a literatura é a prima pobre das artes mesmo. Aqui, de Vitória, ES, acompanhando notícias da Virada, quase não se falou, nos noticiários, em livros, leitores, literatura. Fui à web e descobri a programação completa. Havia literatura, sim, mas em expressão diminuta.
    O que pareceu valer foi música para todos os gostos.
    E livros para todos os gostos? Havia?

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Ulisses,
    Eu leio seu blog há alguns meses. Sempre vou comentar e desisto. Não sei o que escrever, bem se eu não treinar, nunca vou saber o que escrever mesmo.
    Esse foi o primeiro comentário, mas vários virão !!

    Abraços....
    ps.: Comentário de fato: Resolvi comentar mesmo, ora pois, pensei.
    O " Uma boa leitura a cada três, quatro, cinco dias... O autor tem o direito de
    o saber que li e goste. Ponto, taí! "
    °

    ResponderExcluir
  4. É verdade que Literatura não costuma ser destaque, mas tinha boas ofertas. O Encontro de Contadores de Histórias, queira ou não, era Literatura. Tb fui à Casa das Rosas, pq tinha um recital de poesia (q foi bem bacana).

    Eu queria ter ido à Biblioteca Mário de Andrade para ver as leituras públicas de trechos de algumas obras, mas não deu tempo. Além disso, noutro ano tiveram umas leituras de peças clássicas q foram bem legais.

    Por fim, Grijó, na parte "Nerd" da Virada, em meio a cosplays, lutas de espadas e afins, tinha um tanto de Literatura.

    ResponderExcluir
  5. Seja, então, bem vindo aos comentários, Fabio. E obrigado pelos elogios.

    ResponderExcluir
  6. Fernando Brito10 maio, 2011 19:51

    Caramba, que legal essa Virada Cultural! A programação foi imensa! Infelizmente falta algo assim, grande e simultâneo, pelas minhas bandas (João Pessoa, PB).

    Mas se bem que eu não tenho muito do que reclamar - a programação cultural daqui aumentou enormemente depois que Chico César assumiu a Secretaria de Educação e Cultura do município (a agora a do estado).

    Fazia tempo que eu não lia o seu blog. Já estava sentindo falta desse seu estilo de escrever várias pequenas histórias em um post :P

    ResponderExcluir

Site Meter