11 janeiro, 2014

Por que você gosta de Jane Austen?

___No ano passado eu resolvi reler o Razão e Sensibilidade, da Jane Austen. A leitura me rendeu um texto para o Incautos e, também, comentários sobre a autora nas minhas aulas. Por conta disso, agora, durante as férias, um aluno me mandou um e-mail, completamente revoltado, porque ele havia perdido tempo das férias lendo a escritora inglesa. 

Razão e Sensibilidade, Jane Austen

___Entre outros questionamentos, meu aluno queria entender que graça eu vejo em uma história em que não acontece nada. “Serio, pq vc gosta de ler esta merda?”. 
___Como a resposta pode ser interessante para mais pessoas, vou publicá-la aqui. 

#####

___Olá, L..
___Tudo bem?
___Para começar, recomendo que você, mesmo revoltado com algo, mande e-mails pessoais mais educados para as pessoas. Caso você esteja fazendo um debate público, escrevendo em um blog, gravando um vlog ou algo do tipo, eu entenderia o tom mais duro – que realmente pode ser um artifício para passar a mensagem, chamar a atenção. No entanto, em um e-mail pessoal, em uma conversa privada, periga o seu interlocutor considerá-lo apenas mal-educado e acabar com qualquer chance de conversa. 
___Bem... Não estou escrevendo apenas para bronquear. Queira ou não, acho importante responder o que você perguntou. Então vamos lá. 
___Eu gosto de Jane Austen por conta da estória. Acho interessante toda a situação vivida pelas personagens, todo o drama pessoal narrado nas obras e fico curioso para saber como as coisas vão terminar. Só que isso, já deu para perceber, não foi do seu gosto. 
___Como historiador, eu adoro ler uma história que mostra tão bem como parte da sociedade vivia no final do século XVIII, início do XIX. É ótimo para conhecer melhor o período, os costumes; eu acabo ganhando um ótimo material para usar em sala de aula, para empreender alguma pesquisa histórica, essas coisas. Entretanto, sei que você não é historiador e, portanto, seus interesses provavelmente não chegam nem perto desses meus. 
___Por fim, eu gosto de ler a Jane Austen porque os livros são divertidos, cheios de brincadeiras e piadas. Não percebeu? Acha que eu estou zoando você? Então, querido, tenho de dizer que você deveria ter lido com mais calma e atenção. Vou dar alguns exemplos. 

###

___Logo no primeiro capítulo de Razão e Sensibilidade, ao descrever John Dashwood (o meio-irmão de Elinor e Marianne, aquele que as deixou desamparadas financeiramente quando da morte do pai), Jane escreve que “Ele não era um jovem de más intenções,” apenas para, logo em seguida, completar “a menos que possuir um coração bastante frio e ser um tanto egoísta signifique ter más intenções”. Se você leu de maneira desatenta, ou o trecho parece sem sentido, ou acabou passando reto sem nem notar a brincadeira. 
___No vigésimo primeiro capítulo, ao falar do próprio bebê, Lady Middleton diz “E eis aqui a minha pequena e doce Annamaria”, ao que a narradora diz “– acrescentou ela, acariciando com ternura uma menininha de três anos de idade que não tinha feito barulho algum ao longo dos últimos dois minutos –” (grifos meus). A mãe continua: “Ela é sempre tão meiga e quietinha... Nunca houve uma coisinha mais quieta!”. Para enfatizar o comentário jocoso da narradora, Austen, no parágrafo seguinte, escreve: “Porém, infelizmente, ..., um alfinete no arranjo de cabelo de sua senhoria arranhou de leve o pescoço da criança e produziu, nesse modelo de meiguice, gritos violentíssimos, que dificilmente poderiam ser superados por qualquer criatura que fosse professadamente ruidosa.”. 
___Só para dar mais um exemplo, dois capítulos depois Austen escreve: “Sir John [Middleton] visitou o chalé certa manhã para pedir, em nome da caridade, que fossem todas jantar com Lady Middleton naquele dia, visto que ele era obrigado a comparecer ao clube em Exeter, e sua esposa de outra forma ficaria muito sozinha, exceto por sua mãe mais as duas senhoritas Steele.” (grifos meus). Escarniando do pedido descabido, no parágrafo seguinte a narradora comenta ironicamente: “As jovens damas partiram, e Lady Middleton foi felizmente preservada da terrível solidão que ameaçara seu dia.”.
___Entendeu, L.? Acho bacana que, durante toda a obra, a autora acrescente essas pequenas brincadeiras. Ficar procurando cada um desses pequenos brindes durante a história só faz com que a leitura seja, para mim, melhor ainda.

###

___No entanto, depois de falar tudo isso, tenho de acrescentar um ponto importante: L., você não precisa gostar do livro! Não é porque eu gostei de Razão e Sensibilidade, não é porque o seu professor adora Jane Austen, que você tem de gostar. Ser considerado um clássico não torna obrigatório que alguém aprecie a obra. Se você leu e não gostou, ótimo!, você está apenas conhecendo melhor os seus próprios gostos. 
___Portanto, saiba que eu indiquei o livro porque eu acho que vale a pena – ou eu não indicaria. Se você já foi atrás de outras indicações minhas e gostou, significa que você não gosta de um dos meus gostos. Se você aceitou outras indicações e odiou todas, creio que você deve pensar bem diferente de mim. Peça, talvez, algumas indicações do que eu não gosto. ;-)
___Espero que meus comentários tenham feito você apreciar mais a obra. 
___Aproveite bem o restante das férias. 
___Abraços.
___Ulisses.

###

P.S.: Mais um comentariozinho sobre o livro: você conseguiu captar porque o livro se chama Razão e Sensibilidade (Sense and Sensibility, no original de 1811)? Isso é algo bem importante. Sem entender isso, você provavelmente não conseguiu entender quase nada da obra. Só uma dica, no primeiro rascunho da obra, ainda no século XVIII, Jane pensou em chamar o livro simplesmente de Elinor and Marianne.
P.P.S.: Caso você ainda queira insistir na Jane Austen, tente dar uma olhada também nos filmes homônimos que foram feitos dos livros. Se quiser ver uma comédia romântica contemporânea, dê uma olhada n’O Clube de Leitura de Jane Austen. E, por fim, se quiser apelar, leia o Orgulho e Preconceito e Zumbis.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Site Meter